Ask me anything   Warning, nem todos os posts expostos aqui são escritos por mim.

Tenho certeza que UM DIA você irá ler esta mensagem. Quando tudo tiver difícil nesse novo ano lembre que você é mais forte do que imagina. Um dia, quem sabe, a gente se esbarra por aí. Sinto sua falta, e vou sentir mais ainda. Quando precisar lembre-se que estarei sempre por perto, sou como o vento, você não vê mas sente. Ass: F

— 2 months ago with 16 notes
Anonymous asked: não tem motivação ? escreva por você, escreva por mim e por todas as pessoas que encontram aqi sentido pra muita coisa bagunçada, muitas vezes você foi uma das únicas pessoas que me entendeu e que não falava só vai ficar tudo bem, espero que tudo de certo na sua vida !


Answer:

Prometo que um dia eu volto a escrever. Para ser sincero não escrevo como antes, sabe como é né, a idade vai passando e a gente vai perdendo o pouco talento que tem. Brincadeiras a parte entrei no TUMBLR hoje depois de MUITO TEMPO e me deparei com N mensagens. Primeiro de tudo OBRIGADO pelas mensagens, pode ter certeza que um dia eu voltarei a escrever. Quando ? Não sei. Um dia. Não consigo escrever por acaso, tudo tem de ter um motivo, pelo menos pra mim. Muito obrigado pelo carinho! Até mais …

— 2 months ago with 5 notes
Eu desejo muitas coisas. Desejo uma vida boa, uma casa aconchegante, um carro na garagem, um emprego que me agrade, uma mulher que me ame e uma criança cambaleando pela casa. Desejo ter motivos para sorrir, mas sorrir de verdade, com vontade, e não para esconder as dores. Me contento com pouco, desde que esse pouco me faça feliz. Mas nem tudo na vida são flores, algumas vezes são espinhos. O céu por exemplo, nem sempre será azul, e o sol nem sempre irá brilhar. Tempestades irão surgir e então tudo se tornará escuro. Ventos por toda a parte irão levar consigo o pouco da esperança que restava de dias melhores. Mas nem toda tempestade dura pra sempre. As nuvens escuras mais cedo ou mais tarde irão recuar. O céu azul voltará, e o sol continuará a brilhar. E os mesmos ventos que um dia roubaram a pouca esperança que restava, serão os mesmos que a trarão de volta.

Eu desejo muitas coisas. Desejo uma vida boa, uma casa aconchegante, um carro na garagem, um emprego que me agrade, uma mulher que me ame e uma criança cambaleando pela casa. Desejo ter motivos para sorrir, mas sorrir de verdade, com vontade, e não para esconder as dores. Me contento com pouco, desde que esse pouco me faça feliz. Mas nem tudo na vida são flores, algumas vezes são espinhos. O céu por exemplo, nem sempre será azul, e o sol nem sempre irá brilhar. Tempestades irão surgir e então tudo se tornará escuro. Ventos por toda a parte irão levar consigo o pouco da esperança que restava de dias melhores. Mas nem toda tempestade dura pra sempre. As nuvens escuras mais cedo ou mais tarde irão recuar. O céu azul voltará, e o sol continuará a brilhar. E os mesmos ventos que um dia roubaram a pouca esperança que restava, serão os mesmos que a trarão de volta.

— 1 year ago with 47 notes
Você tem medo de se apaixonar. Medo de sofrer o que não está acostumada. Medo de se conhecer e esquecer outra vez. Medo de sacrificar a amizade. Medo de perder a vontade de trabalhar, de aguardar que alguma coisa mude de repente, de alterar o trajeto para apressar encontros. Medo se o telefone toca, se o telefone não toca. Medo da curiosidade, de ouvir o nome dele em qualquer conversa. Medo de inventar desculpa para se ver livre do medo. Medo de se sentir observada em excesso, de descobrir que a nudez ainda é pouca perto de um olhar insistente. Não suportar ser olhada com esmero e devoção. Nem os anjos, nem Deus agüentam uma reza por mais de duas horas. Medo de ser engolida como se fosse líquido, de ser beijada como se fosse líquen, de ser tragada como se fosse leve. Você tem medo de se apaixonar por si mesma logo agora que tinha desistido de sua vida. Medo de enfrentar a infância, o seio que criou para aquecer as mãos quando criança, medo de ser a última a vir para a mesa, a última a voltar da rua, a última a chorar. Você tem medo de se apaixonar e não prever o que pode sumir, o que pode desaparecer. Medo de se roubar para dar a ele, de ser roubada e pedir de volta. Medo de que ele seja um canalha, medo de que seja um poeta, medo de que seja amoroso, medo de que seja um pilantra, incerta do que realmente quer, talvez todos em um único homem, todos um pouco por dia. Medo do imprevisível que foi planejado. Medo de que ele morda os lábios e prove o seu sangue. Você tem medo de oferecer o lado mais fraco do corpo. O corpo mais lado da fraqueza. Medo de que ele seja o homem certo na hora errada, a hora certa para o homem errado. Medo de se ultrapassar e se esperar por anos, até que você antes disso e você depois disso possam se coincidir novamente. Medo de largar o tédio, afinal você e o tédio enfim se entendiam. Medo de que ele inspire a violência da posse, a violência do egoísmo, que não queira repartir ele com mais ninguém, nem com seu passado. Medo de que não queira se repartir com mais ninguém, além dele. Medo de que ele seja melhor do que suas respostas, pior do que as suas dúvidas. Medo de que ele não seja vulgar para escorraçar mas deliciosamente rude para chamar, que ele se vire para não dormir, que ele se acorde ao escutar sua voz. Medo de ser sugada como se fosse pólen, soprada como se fosse brasa, recolhida como se fosse paz. Medo de ser destruída, aniquilada, devastada e não reclamar da beleza das ruínas. Medo de ser antecipada e ficar sem ter o que dizer. Medo de não ser interessante o suficiente para prender sua atenção. Medo da independência dele, de sua algazarra, de sua facilidade em fazer amigas. Medo de que ele não precise de você. Medo de ser uma brincadeira dele quando fala sério ou que banque o sério quando faz uma brincadeira. Medo do cheiro dos travesseiros. Medo do cheiro das roupas. Medo do cheiro nos cabelos. Medo de não respirar sem recuar. Medo de que o medo de entrar no medo seja maior do que o medo de sair do medo. Medo de não ser convincente na cama, persuasiva no silêncio, carente no fôlego. Medo de que a alegria seja apreensão, de que o contentamento seja ansiedade. Medo de não soltar as pernas das pernas dele. Medo de soltar as pernas das pernas dele. Medo de convidá-lo a entrar, medo de deixá-lo ir. Medo da vergonha que vem junto da sinceridade. Medo da perfeição que não interessa. Medo de machucar, ferir, agredir para não ser machucada, ferida, agredida. Medo de estragar a felicidade por não merecê-la. Medo de não mastigar a felicidade por respeito. Medo de passar pela felicidade sem reconhecê-la. Medo do cansaço de parecer inteligente quando não há o que opinar. Medo de interromper o que recém iniciou, de começar o que terminou. Medo de faltar as aulas e mentir como foram. Medo do aniversário sem ele por perto, dos bares e das baladas sem ele por perto, do convívio sem alguém para se mostrar. Medo de enlouquecer sozinha. Não há nada mais triste do que enlouquecer sozinha. Você tem medo de já estar apaixonada.

Você tem medo de se apaixonar. Medo de sofrer o que não está acostumada. Medo de se conhecer e esquecer outra vez. Medo de sacrificar a amizade. Medo de perder a vontade de trabalhar, de aguardar que alguma coisa mude de repente, de alterar o trajeto para apressar encontros. Medo se o telefone toca, se o telefone não toca. Medo da curiosidade, de ouvir o nome dele em qualquer conversa. Medo de inventar desculpa para se ver livre do medo. Medo de se sentir observada em excesso, de descobrir que a nudez ainda é pouca perto de um olhar insistente. Não suportar ser olhada com esmero e devoção. Nem os anjos, nem Deus agüentam uma reza por mais de duas horas. Medo de ser engolida como se fosse líquido, de ser beijada como se fosse líquen, de ser tragada como se fosse leve. Você tem medo de se apaixonar por si mesma logo agora que tinha desistido de sua vida. Medo de enfrentar a infância, o seio que criou para aquecer as mãos quando criança, medo de ser a última a vir para a mesa, a última a voltar da rua, a última a chorar. Você tem medo de se apaixonar e não prever o que pode sumir, o que pode desaparecer. Medo de se roubar para dar a ele, de ser roubada e pedir de volta. Medo de que ele seja um canalha, medo de que seja um poeta, medo de que seja amoroso, medo de que seja um pilantra, incerta do que realmente quer, talvez todos em um único homem, todos um pouco por dia. Medo do imprevisível que foi planejado. Medo de que ele morda os lábios e prove o seu sangue. Você tem medo de oferecer o lado mais fraco do corpo. O corpo mais lado da fraqueza. Medo de que ele seja o homem certo na hora errada, a hora certa para o homem errado. Medo de se ultrapassar e se esperar por anos, até que você antes disso e você depois disso possam se coincidir novamente. Medo de largar o tédio, afinal você e o tédio enfim se entendiam. Medo de que ele inspire a violência da posse, a violência do egoísmo, que não queira repartir ele com mais ninguém, nem com seu passado. Medo de que não queira se repartir com mais ninguém, além dele. Medo de que ele seja melhor do que suas respostas, pior do que as suas dúvidas. Medo de que ele não seja vulgar para escorraçar mas deliciosamente rude para chamar, que ele se vire para não dormir, que ele se acorde ao escutar sua voz. Medo de ser sugada como se fosse pólen, soprada como se fosse brasa, recolhida como se fosse paz. Medo de ser destruída, aniquilada, devastada e não reclamar da beleza das ruínas. Medo de ser antecipada e ficar sem ter o que dizer. Medo de não ser interessante o suficiente para prender sua atenção. Medo da independência dele, de sua algazarra, de sua facilidade em fazer amigas. Medo de que ele não precise de você. Medo de ser uma brincadeira dele quando fala sério ou que banque o sério quando faz uma brincadeira. Medo do cheiro dos travesseiros. Medo do cheiro das roupas. Medo do cheiro nos cabelos. Medo de não respirar sem recuar. Medo de que o medo de entrar no medo seja maior do que o medo de sair do medo. Medo de não ser convincente na cama, persuasiva no silêncio, carente no fôlego. Medo de que a alegria seja apreensão, de que o contentamento seja ansiedade. Medo de não soltar as pernas das pernas dele. Medo de soltar as pernas das pernas dele. Medo de convidá-lo a entrar, medo de deixá-lo ir. Medo da vergonha que vem junto da sinceridade. Medo da perfeição que não interessa. Medo de machucar, ferir, agredir para não ser machucada, ferida, agredida. Medo de estragar a felicidade por não merecê-la. Medo de não mastigar a felicidade por respeito. Medo de passar pela felicidade sem reconhecê-la. Medo do cansaço de parecer inteligente quando não há o que opinar. Medo de interromper o que recém iniciou, de começar o que terminou. Medo de faltar as aulas e mentir como foram. Medo do aniversário sem ele por perto, dos bares e das baladas sem ele por perto, do convívio sem alguém para se mostrar. Medo de enlouquecer sozinha. Não há nada mais triste do que enlouquecer sozinha. Você tem medo de já estar apaixonada.

— 1 year ago with 93 notes
Reza muito pra não aparecer ninguém que mexa comigo enquanto você fica brincando de não saber o que quer.

Reza muito pra não aparecer ninguém que mexa comigo enquanto você fica brincando de não saber o que quer.

— 1 year ago with 61 notes
Se eu tivesse outra chance faria tudo de novo.

Se eu tivesse outra chance faria tudo de novo.

— 1 year ago with 35 notes